Busca

Forma : Plural

Releitura do viver bem

Categoria

A casa dos outros

Muita inspiração em poucos m2

Bobagem essa coisa toda de ficar amaldiçoando e brigando com as metragens enxutas. Isso tá cada dia mais comum, é a dura realidade especialmente nos centros urbanos. O grande lance é abandonar o sofrimento e partir pro abraço, tirando o máximo proveito possível de cada ínfimo centímetro.

Vale apostar em ambientes sem fronteiras. Menos paredes, mais longe os olhos avistam e criam a impressão de grandes espaços. Em contrapartida, quanto mais elementos os olhos tiverem pra ver, menos irão reparar na metragem que falta. Então, bora investir em cores, texturas e afins, seja em forma de artigos têxteis, plantas, materiais orgânicos.

Embora seja fundamental ser bastante econômico em espaços modestos, tentando manter apenas o necessário e tomando um super cuidado principalmente com a dimensão do mobiliário, isso não significa que umas firulinhas ali e acolá não sejam bem-vindas. Sim, aconchego e coisas bonitas também disfarçam metragens e tornam qualquer lugar bem mais agradável, como esse apê espanhol lindão, repleto de ideias descomplicadas e cheias de bossa.

Siga o Forma:Plural no Instagram e Facebook.

Fonte: Casadiez

Anúncios

98 m2 de pura harmonia

 

Casa alugada não precisa ser sinônimo de casa sem identidade e aqui está um sobrado de 98 m2 que é um exemplo dos bons disso. Muito móvel de família, muita mão na massa, muita coragem e envolvimento são capazes de fazer qualquer mudança estrutural, como possíveis quebra-quebras, parecer supérflua. Sim, muitos problemas podem ser sanados quando a gente valoriza outros aspectos, bota coisa muito mais bacana pro olho da gente enxergar. Do mesmo modo, nem sempre é o alto investimento que fará a casa se tornar um lar, mas sim a quantidade de tempo que dedicamos com planejamento e com observação.

Uma das grandes sacadas dessa casa é o uso e abuso de texturas, que são um passaporte instantâneo pro aconchego. Além disso, o uso de cores pontuais é uma porrada quando o assunto é inserir personalidade: é como dizer em alto e bom tom a que veio. No mais, ela é um festival de misturas onde novo e antigo não fazem distinção dos anos, funcionalidade e afeto caminham lado a lado, liberdade de expressão é a palavra de ordem. Enfim, é uma casa que merece um bom reparo em cada canto porque, além de muita ideia interessante, ela tem a ginga e alegria que falta a muita casa própria.

 

Siga o Forma:Plural no Instagram e Facebook.

Fonte: Revista Minha Casa

 

Coragem

Essa é uma daquelas casas que nos enchem de coragem, que faz bater aquela vontade louca de arregaçar as mangas e sair trocando tudo de lugar. É uma casa cheia de atitude, onde páginas de dicionário se transformam em papel de parede, onde o garimpo tem lugar de destaque, onde o conforto – físico e emocional – é a palavra de ordem.

Apesar de todo sua personalidade forte, ela carrega uma atmosfera tranquila, própria de quem não precisa provar mais nada pra ninguém. Ela pertence ao presente e flerta com o passado, mistura tudo sem o menor remorso e acredita que tudo é válido até a próxima mudança.


 

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Apartment Therapy

Preto e branco

Preto e branco é uma combinação porreta, tipo arroz com feijão, macarrão com molho. Pra dar ruim, tem que errar muuuito, coisa grotesca mesmo. Mas, apesar dessa união ser pra lá de incrível, ela pede um complemento: uma textura pra quebrar tamanha solidez, pitadas coloridas pra criar pontos focais interessantes, elementos naturais pra conferir aconchego. E essa dosagem bem equilibrada tem nesse apê, desde o emprego bem sucedido de têxteis até detalhes mínimos que prezam pelas texturas. Além disso, ele também é uma inspiração das boas de que o combo layout bem planejado + cuidado com as dimensões do mobiliário e afins opera milagres nos ambientes e faz 70 m2 renderem pra caramba.

Siga o Forma:Plural no Instagram e Facebook.

Fonte: Planete Deco

 

 

Uma casa pra gostar

Casa é uma coisa de empatia, e as vezes demora um pouco pra rolar. Sem contar que, não muito raro, sempre tem um cantinho que a gente custa a gostar. Por isso que o tempo é tão fundamental, pra poder observar, descobrir a real função de cada cômodo, sacar como a iluminação natural acontece em cada ponto da casa. Por mais que bata aquele impulso louco de ver tudo pronto, não é comprando tudo num único lugar e às pressas que teremos a casa que nos represente. O exercício de testar, dialogar, de “arrasta pra cá e leva pra lá” é o mais precioso investimento que pode ser feito e, no futuro, evita possíveis frustrações com compras de móveis e objetos que perdem rapidamente a validade. Essa casa aqui, por exemplo, é resultado de muito garimpo e de um olho paciente, que se envolveu e soube tirar proveito e valorizar cada centímetro, já sabendo que pra continuar gostando é fundamental manter-se atento a novas necessidades que vão surgindo.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Casa Vogue

 

Um sacolejo dos bons

Acho que de tempos em tempos ( e confesso que no meu caso os intervalos costumam ser bem curtos! rs ), a gente precisa dar um novo fôlego à casa, botar tudo a baixo mesmo, no melhor sentido.

Não falo de quebra-quebra ou esses tipos de intervenções que demandam um mínimo de planejamento. Falo em mudanças que podem ser realizadas praticamente com envolvimento e que pedem boa disposição e um olhar atento.

É trocar os móveis de lugar e inverter as funções. Acredite: isso, por si só, já dá uma mudada enorme no astral, faz a gente acreditar que tem móvel novo em casa sem ter adquirido nadinha. Isso se estende aos objetos.

Brinque com a paleta de cores sem medo, teste combinações que jamais cogitou.Numa dessas, a gente acaba unindo elementos, formas, texturas tão inusitados e que funcionam tão bem juntos que nos perguntamos: como nunca pensei nisso?

Tire do baú o que tá sem uso e guarde por um tempo os itens com os quais a convivência não anda mais das melhores. Bote ordem na bagunça, organize de outro jeito, descubra novos espaços e improvise outros.

Aliás, improviso é um exercício magnífico para decisões mais sérias e muitas vezes sair de nossa zona de conforto nos faz reavaliar uma série de conceitos que deixaram de funcionar e a gente nem se tocou.

Toda casa precisa de um sacolejo, de um chamejo, de uma fuga marota da mesmice, como essa que ilustra esse post. Viver numa casa assim é ter a oportunidade de olhar todo santo dia para as mesmas coisas e sempre enxergar algo diferente.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Planete Deco

Uma casa que pertence ao tempo

Cada vez mais me simpatizo com as casas que pertencem ao tempo, aquelas que estão sempre prontas e nunca acabadas. Prontas porque sabem como ninguém que a hospitalidade ultrapassa qualquer estilo de decoração, organização, anos de vida, e nunca acabadas porque possuem a flexibilidade fundamental para se adaptar a mudanças.

Não há como não se admirar com tamanha sinceridade, daquela que expõe rachadura, mancha no móvel, gaveta emperrada. Nem com tanta sabedoria que conhece que uma deliciosa cadeira de mola rende uma tarde de leitura tão incrível que o estofado meio detonado é apenas um charme a mais.

São casas que possuem significados em cada canto, porquês sobre prateleiras, verdades verdadeiras e verdades inventadas presas à parede. Elas são a melhor versão da história: nos momentos tristes elas se tornam poesia e nos momentos alegres são enredos animadíssimos lotados de personagens extravagantes.

Ah, quanta generosidade cabe em seu interior, muito além de apenas alicerce, mobiliário e talvez uma bela vista. Elas aprenderam com o espirituoso tempo a não ter pressa e descobriram que só assim são capazes de se envolver realmente com a gente e virar o melhor lugar do mundo que se pode desejar.

 

 

 

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram.

Fonte: Espacio Living

Entre plantas, cores e tecidos

ds1

Uma casa com plantas nunca é uma casa vazia. As cores, por sua vez, criam pontos focais interessantes e são fantásticas no quesito camuflagem. E os tecidos com suas texturas? São danados quando o assunto é humanizar alicerce.

O trio planta + cor + têxtil  é realmente porreta, especialmente quando a intenção é criar uma atmosfera plena de vida e acolhedora, sem muita dor de cabeça, que seja capaz de se renovar quando der na veneta.

Tá na dúvida do que usar pra realçar um cantinho? Quer promover uma mudança rápida? Falta sensação de acolhimento? Ou quer apenas tapar aquele vazio que teima em existir, apesar de  incansáveis tentativas? Então esse combo é pra você, tiro certeiro pra esses males e garantia de uma casa que respira, como essa aqui  do Design Sponge.

ds2

ds3

ds4

ds6

ds7

ds8

ds9

ds10

ds11

ds12

ds13

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram.

Casa de vila

cv1

Tive o imenso prazer de morar numa casa de vila por 10 anos. Nessa vilinha, que ficava bem escondida num canto hiper movimentado de SP, a sensação que tinha era de estar no interior. Tinha pé de amora, pitanga e bananeira, além de toda a alegria das sabiás e bem-te-vis. Fim de semana a gente comia do lado de fora, aproveitando a sombra de uma árvore enorme, e também tomávamos banho de mangueira. É, casa de vila costuma permitir essas coisas, faz a gente acreditar que a vida é muito mais bacana e leve.

cv2

Mas sabe o que acho que realmente faz a diferença numa casa de vila? É a simplicidade da construção, as portas e janelas de madeira, os acabamentos que já não são mais costumeiros. Elas são aconchegantes por natureza, sejam elas de qualquer dimensão, e sabem ser carismáticas como ninguém.

cv3

Essa aí é uma excelente lembrança da casinha que morei e certamente uma inspiração das boas. Tem muita ideia que dá pra aproveitar num apê, afinal sua metragem é bem enxuta, mas também funciona para qualquer casa que queira uma atmosfera super amigável e com espaços bem aproveitados. Tem planta pra trazer vida, tem almofadas pra abraçar, tem prateleiras pra otimizar e tem muita mistura feliz.

cv4

cv5

cv6

cv7

cv8

cv10

cv11

cv12

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram.

Fonte: Casa Vogue

Blog no WordPress.com.

Acima ↑