Busca

Forma : Plural

Releitura do viver bem

Categoria

Autorais

A casa mora na gente

Recentemente, tive o prazer de conceder uma entrevista ao Hypeness. Seja uma entrevista que a gente participa ou uma matéria que produzimos, é um exercício e tanto para pensarmos numa porção de coisas – e também para reavaliar uma penca de outras.

Uma das perguntas me questionava se me imaginava vivendo em outro local. Questão simples, mas foi a que demorei mais pra responder. Embora esteja morando há cinco anos nessa casa atual e adorando todos os cantos, com possibilidades mil de ainda criar mais um tantão de outros tão interessantes e aconchegantes, descobri que sim, me mudaria de boa.

Sei que pra muita gente isso causa um tremendo espanto, especialmente para minha família e amigos próximos, que sempre me veem mudando as coisas de lugar, pintando, cuidando de cada detalhe. Pra mim também foi, num primeiro momento! rs. Mas é justamente isso: a casa é a curadoria que a gente dá a ela, é o envolvimento que vai rolando. É a observação, é o se dar.

Mais do que nunca, cheguei à conclusão de que casa é algo que, na verdade, mora dentro da gente e nos acompanha para qualquer lugar. O que existe de real é um alicerce, onde a alma é preenchida com o que há em nós: os gostos, as histórias, as necessidades.

Por isso mesmo nem sempre é tão fácil dizer o que gostamos ou não em algo, o porquê de elegermos uma combinação ou outra. Simplesmente porque não gostamos apenas do que está no campo visual, mas no sentimento que há embutido naquilo e o que ele nos traduz.

E casa é isso, é tradução dos sentimentos em forma de cores, composições, layout. E a gente vai preenchendo com coisinhas que nos remetem a um dia bacana, com a foto de uma pessoa querida, com um objeto brega que nos diz um bocado e tem um valor inestimável.

Casa é uma experiência de auto-conhecimento, onde os nossos erros são a melhor garantia de originalidade. Nela vale tudo. Ousadias. Misturas. Extravagâncias. Tendências também são bem legais pra trazer frescor. O segredo é não ter medo, é ir na sua. Afinal, ninguém sente igual a você, ninguém viveu o que você viveu, ninguém enxerga a mesma coisa de modo igual.

 

Siga o Forma:Plural no Instagram e Facebook.

Anúncios

Inspiração Coletiva: Encontro com um Móvel

Já faz um tempo que tenho vontade de criar a série Inspiração Coletiva. Como o próprio nome diz, é uma fonte de inspiração vinda de diferentes pessoas para diferentes pessoas, onde cada um se inspira, cria sua versão e inspira outra pessoa.

O primeiro tema dessa série é “Encontro com um Móvel”, onde cada um poderá contar como foi o encontro com aquele móvel antiguinho que habita sua casa, qual sua relação com essa peça, se ela está na forma original ou se recebeu um talento, qual a função/funções que lhe foram atribuídas.

O objetivo dessa ação é tornar o convívio com uma peça de outros carnavais muito mais agradável, evitar o descarte desnecessário, segurar a onda no consumismo e, claro, conseguir inseri-la em seu contexto de uma forma mais bacana e muito mais funcional.

É assim: você faz a foto da sua peça queridona contando sobre o encontro que tiveram e publica em seu Instagram com a #inspiracaocoletiva e #encontrocomumovel – se quiser, pode usar também #formaplural :). Assim fica facinho encontrar a inspiração e partir pro abraço.

Claro que no Insta do Forma:Plural vai rolar post #inspiracaocoletiva e #encontrocomummovel! Será um imenso prazer toda sexta contar o encontro que tive com um móvel, e garanto: foram muitos, nos mais variados lugares, das formas mais bizarras.

Vamos tirar os velhinhos da rua da amargura e provar que são sujeitos cheios de bossa e que esbanjam o charme inconfundível datado dos bons tempos. Conto com vocês!

Participe! Inspire!

 

Papel de parede fake

Uma parede bacanuda salva o lado e enche o recinto de graça, essa é a real. Vira uma referência dentro de casa, é aquela dose de personalidade super bem-vinda, torna-se um ponto de partida para se definir uma linha estética.

Mas, às vezes, chegar nessa tal parede demora um bocado. A gente olha a danada e nada. Olha de novo e nada…Com a parede do nosso home office externo foi assim. Pensei em quadros, pensei em plantas pendentes, pensei numa penca de coisas.

E, por incrível que pareça, foi algo no qual não pensei que me catou de jeito: papel de parede. Esse aí, dessa foto acima (Planete Deco). Bati e olho e falei: é disso que preciso. E observando detalhadamente o desenho, percebi que era super fácil de recriar com pintura.

Daí surgiu meu papel de parede fake, um animal print de araque. Terapia das boas e super econômica, realizada com pincel achatado e tinta PVA, daquelas compradas em loja de artesanato. Coloque uma roupa confortável, uma música agradável e bora pintar a parede.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Uma casa com vagas

IMG_0648

Tem gente que sonha com a casa perfeita, aquela digna de capa de catálogo, com móveis e acessórios impecáveis, com espaço meticulosamente calculado pro tamanho da felicidade genérica.

IMG_1369

IMG_0957

IMG_1205

Eu sempre flertei com as casas imperfeitas, morei em várias delas. Pra mim, casa perfeita nunca passou de lenda, por isso prefiro casa com vagas, sempre pronta a receber intervenções, presentes, festas, amigos.

IMG_2352

IMG_1094

IMG_2344

Acredito que casa é o alicerce que moldamos com o tempo, que retrata nossas mudanças e conta a nossa história mas que, acima de tudo, é o lugar que nos acolhe e pra onde sempre temos vontade de voltar.

IMG_0841

IMG_0844

Por aqui é assim, uma casa com crianças, bichos, parentes e até desconhecidos que se tornam amigos. Nada é definitivo, permanente é só a possibilidade de uma nova mudança. Os móveis vivem em crise de identidade e levam uma vida cigana, os jardins sempre têm uma nova companhia, os cômodos se reinventam e até o dia e a noite se misturam.

IMG_0442

IMG_0409

IMG_0362

É uma casa que serve de moradia e trabalho; onde se dança, canta, reza, ri e chora. Onde os enfeites decidem por conta própria trocar de lugar ou onde as pessoas se sentem à vontade para doar um objeto de caso pensado onde deve ficar. Nem sempre as coisas estão como imaginei, estão do jeito que ficaram. E quer saber? Tá ótimo, faz um bem danado um layout versátil.

IMG_0330

IMG_0506

IMG_0393

Conto com a sorte de viver numa casa cheia, onde posso ver mais do que os meus olhos enxergam: as celebrações nas marcas de copo no aparador de madeira, a animada brincadeira nos fios puxados do tapete, as inúmeras lembranças naquela gaveta emperrada e as barulhentas reuniões dos passarinhos nas sementes que brotam ao acaso.

IMG_1145

IMG_1141

Até mesmo as louças mais metidas já entenderam que nessa casa elas precisam estar prontas a qualquer dia e qualquer hora, porque não acreditamos em datas especiais, acreditamos sim que tornar o banal extraordinário é mais uma questão de estado de espírito do que de calendário.

IMG_0106

IMG_0164

IMG_0212

Brindamos e acendemos velas em todas as estações do ano, sempre temos vagas para quem chega e também para aqueles que decidem pernoitar e usar nossa casa como férias. A piscina é pequena e aquecida a calor humano e a grama surrada é reflexo de muito jogo de bola. E embora tudo pareça um total descompromisso, uma casa com vagas é o resultado de muito envolvimento e observação, regados a uma baita dose de alegria.

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram aqui. Já conhece nossa lojinha? É só clicar aqui.

Essa matéria foi desenvolvida pelo Forma:Plural e publicada originalmente na 3a. edição da Revista OcaPop.

 

 

Móvel vestido

IMG_9941

Móveis velhinhos, essa é uma das minhas paixões, e das grandes! Já pintei com cores de doer os olhos, desenhei, raspei a pintura pra criar um efeito detonado…Foram tantas as técnicas e pirações, que nem sou capaz de me recordar de todas elas. Mas uma delas, em especial, costumo usar quando o tempo anda curto e a ansiedade enorme: revestir móvel com tecido. Além dessa técnica ser bem mais rápida que uma pintura, ainda permite inúmeras possibilidades, como revestir um móvel inteiro ou apenas um detalhe. Ah, e a variedade gigante de estampas pra gente ficar naquela baita dúvida? Se já enxergou uma peça meio caidinha por aí, que rapidinho ficaria lindona com um tecido simpático, aqui e aqui têm algumas inspirações e dicas de como fazer.

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram.

A Tenda dos Milagres

tenda ri

Tenho o grande prazer de iniciar 2016 literalmente colhendo frutos, mais precisamente maracujás. Foi um pouco mais de um ano bem complicado, onde precisei aprender um bocado e até lidar com ataque de lagartas. Mas é assim mesmo, se a gente quer um jardim com borboletas, conviver com lagartas faz parte do pacote, né? Foi um aprendizado que exigiu e ainda exige uma baita paciência e muita observação. Diversas vezes bateu aquela vontade de declinar mas, nesses momentos, aparece algum amigo elogiando o que você considera ser um mísero pé de fruta que não dará em nada, sua irmã se empolga e te presenteia com uma tenda que sirva de suporte para que ele cresça bacanudo, e assim você volta a botar fé e o ânimo vem à tona. E com casa, de uma maneira geral, funciona assim. É necessário muito flerte, não dá simplesmente pra mandar aquela cantada objetiva e achar que vai rolar na primeira. Na real, casas de verdade demandam cantadas permanentes. É preciso coragem, é preciso driblar a rotina e, acima de tudo, é fundamental ignorar o calendário, porque não se dota uma casa de estado de espírito com data marcada. E, quando menos se espera, acontece uma daquelas coisas boas da vida: os maracujás nascem e um novo espaço para receber aparece bem no seu quintal.

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram.

 

 

 

 

 

A qualidade das coisas perdidas

criado carimbado

Gosto da qualidade das coisas dadas como desenganadas, casos perdidos, que ninguém bota fé, pois elas nos dão a chance de errar sem deixar nenhum traço de remorso. Com esse criado-mudo foi assim: peça doada, que  habitou um lar por uma vida inteira mas, um dia, sua validade expirou. Acolhi, como costuma ser do meu feitio, saquei fora toda a grossa camada de verniz, elegi um novo puxador, recortei EVA, construi um carimbo e achei que azul lhe cairia muito bem. Essa peça me deu a oportunidade de experimentar e perceber que a parte mais bacana de qualquer processo é o aprendizado que se tira no meio do caminho, especialmente das coisas perdidas.

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

 

Invasão de garagem

Ando me especializando no assunto “invasão de garagem”, essa já é a segunda que realizo. A gente vê aquele espação agradável, onde a brisa corre suave e logo pensa que seria o local perfeito pra ficar à toa e receber amigos. Não demora muito, descobrimos um abatjour que pode ser bastante útil com uma cúpula nova, que o jogo de sofá revive com uma boa dose de tinta e que aqueles paninhos guardados no fundo do armário rendem as almofadas que serão responsáveis pelo conforto e descontração. E assim nasceu uma sala na minha garagem e com ela as noites ficaram muito mais bacanas e os armários bem mais vazios.

garagem 1

 Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Um livro na parede

E por que não? Uma boa história vai com a gente pra qualquer lugar, é feita para ser contada, ser lida, relida, ser vista. E extrair  a mesmice das coisas faz um bem danado.

DSCN2175_A

Uma única cor, uma cor vibrante, seis cores numa única parede, meia parede, tecido colado na parede. A verdade é que as minhas paredes já viram um bocado de coisas. Mas foi nessa última mudança que reservei uma parede, nem das grandes, para ter algo especial. O que seria? Não tinha a menor ideia…Pensei em recortes adesivos, imaginei palmeiras com cores radiantes, mas foi numa livraria que encontrei o que procurava: o papel de parede dos meus sonhos estava na forma de um livro, um grande clássico com ilustrações de Yayoi Kusama.

DSCN2152_A

DSCN2182_A

Admito que a ideia de desmontar um livro todo e colá-lo me deixou um pouco perturbada, por outro lado seria a oportunidade única de ter um livro sempre aberto. E assim, Alice, tipografias, criaturas falantes e até um chá maluco entraram para a história dessa casa. E quem entra ou sai inevitavelmente faz uma pausa para leitura, observa mais detalhadamente algum desenho ou apenas sorri. E extrair sorrisos também é uma coisa muito boa de se fazer!

DSCN2187_A

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑