Busca

Forma : Plural

Releitura do viver bem

mês

maio 2012

Pequenos espaços singulares

Além da falta de tempo que compromete a vida da maioria, inclusive a minha ( ontem não teve post!), a falta de espaço também é um fator com o qual muita gente lida.

Imagine viver em 36 m2? Haja ginástica e neurônios para acomodar tudo sem criar espaços tumultuados. No caso desse apê, o pulo do gato ficou por conta da marcenaria.

Ok, outra coisa difícil da gente arrumar, né? Marceneiro bacana é artigo raro, começo até a entender porque meu pai, na época em que fez os armários embutidos, hospedou os marceneiros lá em casa…

Olha que genial essa cama embutida:

E não é que tem até cabeceira? Transformar um cômodo em formato de L para servir de sala, cozinha, quarto e quarto de estudos demanda um excelente senso de otimização de espaço, que inclui móveis até no hall de entrada:

E, apesar de apertadinho, tudo foi minuciosamente planejado e ficou com aspecto de ser muito maior. Veja aqui o apê todo.

A outra alternativa utilizada por esse casal de arquitetos foi a verticalização. Tá certo que eles são experts no assunto, inclusive vale uma visitinha para conhecer o trabalho deles.

Independente do estilo ou da alternativa escolhida, uma coisa é certa: é preciso treinar o desapego a muitas coisas se quiser viver melhor num espaço pequeno. Além, é claro, de uma boa dose de disciplina…

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fontes: Delikatissen / Remodelista

Saídas de mestre

A inventividade é um dos atributos que mais admiro. Tem gente que nasce repleto dela, outros aprendem nos perrengues que passam. A verdade é que mais cedo ou tarde precisará dela em algum momento da vida.

É super interessante perceber como cada um responde a um desafio e elabora sua estratégia. No universo da decoração esse movimento se torna cada vez mais evidente, seja por questões sustentáveis, pela personalização ou pela falta de grana mesmo.

Já diz o ditado: há males que vem pra bem. Nas situações adversas, descobrimos talentos que nem imaginávamos possuir ou tiramos o máximo proveito de algum dom.

Esse foi o caso da artista Shantell, que começou de forma “inocente” com um Moleskine e terminou num apartamento assim:

Ousado para muitos, mas muito melhor utilizar o talento de sobra que  gastar com tinta, ao menos no caso dela. Aqui tem o apê todo.

Concordo que ela seja um exemplo bem peculiar, mas teve uma sacada genial. Mas vamos então às sacadas possíveis,com aquele bom e velho apelo do faça você mesmo:

Fazendo algumas perfurações nas portas e praticamente trabalhando nelas como se estivesse bordando, essa ideia muito original trouxe personalidade para uma peça produzida em escala industrial. Aqui tem a história dela.

Cortininhas para pias de cozinha. Quem não viu? Certamente na casa de alguma tia havia uma dessas. Mas, sacomé, às vezes nos esquecemos como um paninho bacana e um cano ajustável pode fazer milagres:

Milagres também são obras das tintas e desenhos geométricos, que transformaram esse antigo móvel:

E essa foto aqui postei ontem no Facebook. Saída digna do Leão da Montanha: papel de pipa revestindo a parede:

Há bastante tempo atrás ouvi uma frase, nem me lembro onde, que dizia assim: o que a gente não inventa, não existe!

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fontes: I like design /Design Sponge / Decor 8 / Pinterest / Cravo Oficina

Guirlandas

Elas se enquandram na categoria que a gente poderia chamar de “pra que isso?”. Não são funcionais, empoeiram e podemos achar mais um montão de defeitos. Mas me responde: não são lindonas? São alegriazinhas espalhadas pela casa, fáceis de fazer e baratas. Bora lá ver algumas opções?

Guirlanda de tiras de tecido:

de círculos de papel para scrapbook, presas na vertical e com fita adesiva:

de forrações de pratos de festas:

de badulaques:

de feltro:

a clássica, só que em tecido:

de crochê:

de amostras:

de barbantes:

tutorial aqui

a geométrica:

tutorial aqui

e a arco-íris:

tutorial aqui

e essa é a guirlanda aqui de casa:

Nem tudo numa casa precisa ter uma utilidade. O bonito já é de bom tamanho!

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fontes: Wood & wool stool / Scrumdillydilly / Pinterest / Oh Happy Day / Shelterness

Domingo

Um dia bem preguiçoso, dia de descanso. A gente até parece se esquecer do relógio. Acorda mais tarde, mais vagaroso, o café da manhã substitui o almoço, que acaba virando o jantar. Dia pra ficar à toa, olhando as pequenas coisas que passam despercebidas nos outros dias. Ele seria perfeito se não antecedesse a segunda, né? A gente torce baixinho pra ele não acabar…

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fontes: The Style Files / Pinterest / Cush and Nooks / Etxekodeco

Parede preta

Tá aí um negócio que deixa a galera temerosa. Tô enganada? Com os espaços cada vez menores, as pessoas logo optam pelo branco, para dar um ar de amplidade. Ok, o branco pode até trazer a sensação de espaço maior, mas uma metragem não mudará em função da cor.

Enquanto o branco e cores claras trazem essa sensação, o preto traz profundidade. É uma cor ótima para criar contrastes, além de ser bem elegante. Na minha modesta opinião, a restrição do uso do preto se limita a ambientes com pouca luz natural, a não ser que queira criar um visual de casa noturna.

A parede preta, assim como a branca, permite o uso de muitos elementos coloridos. Aliás, esses são ótimos aliados para quebrar um pouco a cor, bem como objetos e itens brancos. Abusar no uso da madeira também funciona hiper bem. Vem comigo:

E aí, seu conceito sobre o preto mudou um pouco?

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fontes: The Decorista / Pinterest / Apartment Therapy / Remodelista / First Home / Bohemian Vintage / Lostin Decoration

Emaranhados

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fontes: Decor 8 / Pinterest / Zsa Zsa Bellagio

Pequeno detalhe que faz muita diferença

Vira e mexe a gente olha para algum canto da casa e percebe que tá faltando alguma coisa. O cantinho está bem organizado, bem distribuído, as cores estão em ordem, mas ainda resta um certo vazio.

Se isso já rolou com você ou é o que está pegando na atual fase, talvez a solução seja mais simples e barata do que imagina. Que tal um tapetinho para alegrar e trazer um aconchego, como esse aí?

Gostou? O melhor é que você mesmo poderá produzi-lo, na cor que melhor combina com seu cafofo, e olhe que moleza a lista de materiais:

O passo-a-passo está aqui e, mesmo sendo em Inglês, as fotos são hiper explicativas. Depois que pegar o jeito, poderá produzir tapetes no tamanho que desejar!

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fontes: {Black. White. Yeloow.} / The Chalkboard

Turbinando com adesivo vinílico

Esse quarto é bem bacana: tem um mix de estilos interessante, está bem dimensionado, blá blá blá e ainda deu a sorte de ter uma janela dessas. Mas concorda que não seria o mesmo sem essas portas do armário?

Agora, sabe aquele espaço no seu cafofo, precisando de uma garibada, e aquele móvel de MDF, todo branquinho, que já deu o que tinha que dar? Pois então, adesivo vinílico nele.  Estampar usando formas geométricas, como as desse armário, não é complicado e, quando cansar, troca o adesivo!

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fonte: Zsa Zsa Bellagio

Uma casa com cara de casa

Fico bem feliz quando encontro uma casa como essa, que poderia ser minha, sua ou da vizinha. Claro que gostamos pra caramba de ver aquelas casas fantásticas, com arquitetura arrojada, móveis bacanudos, afinal tudo isso deixa nosso olhar muito mais afiado e sempre existe alguma ideia que pode ser transferida para nosso cafofo.

Mas a casa de hoje é uma inspiração bem pé no chão. Embora pertença a uma designer de interiores ( isso já muda a coisa de figura), ela priorizou o aconchego e muitos itens atemporais, deixando a cargo de cores pontuais e estampas a missão de trazer o toque personalizado e vintage que deixou esse espaço tão agradável.

Quem não tem ou teve um sofá meio surradinho? Almofada nele! A cor intensa da poltrona deu uma ajudinha e tanto…

Uma cômoda na sala, por que não? Pra enfeitar, vidros diversos.

Armário azul calcinha? Pois é, funcionou e não briga com ninguém. O que não coube no gabinete, foi parar nos nichos…

…que ganharam estampa em seu interior.

Uma bancada bem simples, com um vaso de cerâmica bem descompromissado abrigando utensílios.

Prateleiras para livros, revistas e caixas. Mas olha que cadeirinha marota:

O toque do banheiro ficou por conta do espelho em formato vintage …

…e mais vasinhos para turbinar o ambiente.

Pequenos detalhes fazem uma diferença gigante…

O capricho da cortina e do armário acima do criado-mudo…

e um lugarzinho ao sol.

Curta a page do Forma:Plural no Facebook aqui.

Fonte: Design Sponge

Blog no WordPress.com.

Acima ↑