Busca

Forma : Plural

Releitura do viver bem

Tag

releitura

Além do móvel planejado

Pensar em metragens enxutas e móveis antigos parece ser uma mistura pouco provável. Quando percebemos que o espaço é modesto, logo nos vem à cabeça móveis planejados, não é? Pois bem, a realidade por ser bem diferente, desde que exista o cuidado com a curadoria do mobiliário tanto no quesito proporção quanto leveza. No caso desse duplex de 65m2, foi justamente essa curadoria que trouxe sucesso ao projeto, onde peças bem assertivas foram inseridas, sem deixar o visual nem um pouco pesado, apertado ou datado. Aliás, a paleta de cores dos objetos e acessórios teve uma enorme contribuição para situar a decoração nos dias atuais, dando um visual mais jovem. Sem dúvida, um caso de bastante sucesso, daquelas releituras surpreendentes, que provam mais vez toda a versatilidade e originalidade dos móveis e objetos cheios de história.

Você sabia que em nosso Instagram temos o “Garimpo Afetivo”? São itens antigos à venda, escolhidos a dedo e com muito carinho. Vai lá conhecer! 

Fontes: Micasa / Planete Deco

Uma casa de texturas

Essa casa estava completamente abandonada e, por sorte, foi encontrada por pessoas que souberam valorizar os belos elementos do passado. As estruturas originais, como as paredes de tijolos e todo o madeiramento, foram totalmente aproveitadas, ou seja, toda sua riqueza de texturas foi preservada. Enquanto alguns preocupam-se um bocado em tornar toda a arquitetura moderna, acho incrível ainda encontrar pessoas que priorizam a história, que sabem o potencial que tem os veios de madeira, o conforto visual que proporciona  uma parede de tijolos antigos e é capaz de enxergar toda a beleza que existe em texturas impressas em cada metro quadrado. Existem coisas que não se compram, existem aquelas que só mesmo o tempo é capaz de esculpir e algumas texturas fazem parte desse rol de preciosidades.

Procurando mais inspirações? Então conheça nosso Instagram.

Fontes: La Nacion / Planete Deco

Um universo fantástico de estampas

Estampa é o tipo de recurso que enche de entusiasmo qualquer casa. Seja ela grande, pequena, nova ou antiga, a real é que uma estampa aqui e acolá é capaz de fazer horrores. E sabe qual a parte mais bacana disso tudo? É que estampa vai em qualquer lugar. Forre a cúpula de um abajur ou o fundo de um armário e veja só o que acontece. Acrescente almofadas estampadas num sofá que já viu dias melhores e veja como ele reage. Estampe paredes ou tetos e transforme completamente o mood de um ambiente. Isso tudo acontece como um passe de mágica. E estampa não é apenas um padrão com cor ou formas. Estampa é textura. Estampa é personalidade em forma de um desenho que você ainda pode escolher o que melhor te representa. E mais ainda: dá pra estar presente apenas em acessórios que, quando enjoar, é só trocar. Quer mais sugestões de como inserir estampa? Então corre o post por essa casa do Skona Hem, que fez uso de estampas com incrível maestria.

Quer encontrar objetos cheios de personalidade quanto os que estão nessa casa? Então conheça a sessão de garimpos em nosso Instagram.

Quando a tinta muda a arquitetura

Ontem mesmo falei sobre o potencial da cor, mas sobre sua utilização de forma pontual. Pois hoje vou falar sobre sua utilização de maneira ampla, quando ela entra transbordando, causando, alterando aspectos da arquitetura e mudando gênios. Pois é, tinta tem esse poder todo. Altera o mood de um ambiente, é capaz de delimitar espaços, de tornar móveis carrancudos seres super amigáveis. Foi o que rolou nesse apê da arquiteta Stephanie Ribeiro retratado pela Casa Vogue. Vários aspectos que incomodavam foram completamente sanados à base de cor e, claro, que o contexto todo colaborou para que o resultado ficasse maravilhoso, como muitos itens garimpados e herdados, além das verdinhas que conferem frescor e alegria.Então, muito antes de encarar um quebra-quebra, talvez valha a pena avaliar se uma demão de tinta não será capaz de te proporcionar a mudança que espera ou, quem sabe, ser um ensaio temporário para uma decisão mais séria.

Confira aqui todos os detalhes desse apê.

Gosta de itens garimpados e não sabe onde encontrar? Em nosso Instagram tem uma seleção bem bacana de itens. É só acessar os destaques “garimpos”

Cor é cor!

Tem jeito não. Cor é sempre cor! De todos os elementos, recursos e mágicas possíveis, ela é de longe o melhor investimento de todos. Disfarça o olhar, serve pra realçar, é capaz de imprimir a personalidade que você quiser. Olha só essa cozinha do Apartment Therapy, com algumas inserções coloridas. Em locais bem pontuais, se tornou leve, porém marcante. E aqui até acessórios fizeram parte do cenário colorido. Esse espaço é um bom exemplo pra quem pretende colorir mas tem receio de errar na dose. Os elementos naturais, como a madeira e o tijolinho à vista, são ótimas companhias junto a cores fortes, garantem sempre um equilíbrio incrível.

 

Você sabia que agora pode contar com uma curadoria de peças afetivas realizadas por nós? Sim, temos objetos de decoração, louças, algumas peças mobiliárias carinhosamente garimpadas que estão à venda. Confira em nosso Instagram, nos destaques “garimpos”.

Por alicerces mais humanos

Casa que é casa, tem bagunça, tem cheiro de comida, tem vida. Casa que é casa, tem almofada revirada, louça na pia, parede marcada. E que bom é isso, afinal o conceito de casa que temos hoje é muito mais amplo e abrangente do que o conceito que tínhamos há alguns anos atrás.

Antes, a casa era para os olhos alheios. Era a tendência do momento que predominava, o bacana era parecer de revista. Hoje, a casa é pra gente, é casa vivida. É aconchego, é retiro, é nosso reflexo, nosso pedaço de teto que nos traduz em paredes, móveis e objetos.

Não nos interessa uma casa que nos diga pouco à respeito. Queremos sim nossas expectativas estampadas em cada canto, as mudanças que ocorreram em nossas vidas pinceladas aqui e acolá, nossos erros e acertos povoando cada recinto.

O que vale é nosso gosto. As nossas próprias combinações. Aqueles itens que conhecemos tão bem e já deixamos de ver sua forma e sua estética, mas enxergamos neles a história: aquele dia ensolarado na praia, o sorriso daquele amigo querido, o sentimento ali impregnado que só nós conhecemos.

E aquele móvel já um tanto rodado que nem cogitamos trocar por um novo? É tesouro, herança da família ou garimpo que ralamos pra encontrar. E nele existem as marcas generosas do tempo que jamais conseguiremos reproduzir. São os registros alegres dos copos que ali foram apoiados, as lascas nas quinas devido a inúmeras mudanças de endereço, até mesmo camadas de tinta que se revelam de forma tão poética.

Casa que é casa é tudo isso e mais um pouco. Possui paredes com gênio e que juram ser de carne e osso. Ah, e como elas dizem um bocado sobre nós! Narram nossas alegrias e tristezas, nossos momentos importantes e se transformam como a gente: tem seus dias festivos vestidas com cores fortes, possui dias contemplativos, dias repletos de audácia ou às vezes estão ali, quietinhas, apenas esperando que algo muito bacana lhes aconteça.

Guardiãs de nossos segredos mais íntimos, conhecem como ninguém nossos medos, nossos desejos, nosso pior e nosso melhor. Confidentes incríveis que nunca julgam, pelo contrário, sempre estão ali quando precisamos, prontas pra acolher,  proteger e pra mudar toda vez que for preciso, seja sob chuva ou sol.

Casas desse tipo expressam os sentimentos em cada cantinho e  se modificam conforme nossas propostas. De manhã é refúgio, å tarde é restaurante, à noite é bar e o melhor lugar de encontro.

Queremos sim alicerces mais humanos, sem hostilidades, com paredes que nos abracem e onde nos reconhecemos em cada ínfimo detalhe. Não interessa se ela é nova ou velha, grande ou pequena. Afinal de contas, como bem escreveu o querido Manoel de Barros: a importância de uma coisa não se mede com fita métrica, nem com balanças, nem barômetros. A importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que essa coisa produz em nós.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

 

 

 

 

 

 

 

 

Cartas na manga

Essa é a típica casa cheia dos truques. Mas nada de ilusionismo super complicado não, é tudo coisa simples, daquelas que faz a gente até se perguntar: como nunca pensei nisso antes? A começar pelas boas sacadas de organização, onde tudo tem seu devido lugar e, detalhe, muitas vezes à mostra mesmo, como o caso das mesinhas de centro na sala que acomodam as mantas. Materiais orgânicos se mesclam com metal, móvel velho com mobiliário novo. Tudo assim, sem medo nem pudor que, de tão à vontade que estão, não causam nem questionamento. A atmosfera é antiguinha, só que carrega um delicioso perfume contemporâneo doado pelos toques de bronze e excelentes pinceladas neon. Aliás, a paleta azul + rosa + amarelo é belíssima sobre a base onde o branco predomina e, quando ele predomina demais, as texturas e estampas entram em cena e criam um efeito visual bonito de se ver. Iluminação, item que poucos dão relevância, aqui tem lugar cativo. São castiçais, abajures, luminárias, arandelas. E tudo com graça, com leveza, sutileza que se nota num segundo momento. Talvez seja esse o segredo dessa casa, a mágica bem realizada das boas composições e escolhas que direcionam os olhos apenas ao que interessa. 

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Micasa

Puro atrevimento

E dos bons, daqueles que fazem os olhos se esbaldar! Ainda na mesma sintonia do post anterior, talvez porque esteja fazendo algumas mudanças na paleta de cor de uns cantinhos da minha casa ( aqui tem um bocado dela!), o elemento cor tem me chamado bastante a atenção.

Pra falar a verdade, me chama a atenção desde que peguei na mão o exemplar de uma edição espanhola repleto de lares coloridos. Foi identificação instantânea, um flashback da casa da minha avó materna ali materializado – e um alívio tremendo saber que tinha por aí espalhado um monte de gente corajosa, que bota em prática o que gosta!

Além da liberdade toda ali presente, com muito faça-você-mesmo, objetos garimpados, reutilizações; me interessei pelas tonalidades utilizadas nos mobiliários antigos, que conferiam uma pegada contemporânea, fazendo um câmbio muito inteligente.

As tonalidades ganhavam a elegância vinda do design dos móveis; os móveis por sua vez vestiam-se de frescor. É o poder do contraste, do atrevimento, da união daquilo que parece improvável, como essa despretensiosa casa de campo espanhola. É o tipo de referência que pega a gente de assalto porque interpreta as ações do tempo de forma inusitada, cheia de vida e de cor.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Planete Deco

Salve o tropicalismo!

Surpresa das boas que tive ao me deparar com um climão mega tropical desses exalado de uma casa em Haia, Holanda. Coisa incrível, ou melhor, coisa de gente que entende que todo lugar pode ser qualquer outro que se queira, mesmo que em outro continente.

Ah, aí essa brincadeira toda de escolha de cores, decoração, curadoria de elementos começa a ficar interessante de verdade. Porque, acredite, quando se conhece o que se gosta, é uma questão de chegar nas combinações certas para criar o ambiente que bem entender – tropical, minimalista, com sotaque industrial, retrô.

Uma determinada atmosfera num ambiente pode ser só aquele “cheirinho” dado por um objeto marcante e a partir dele demais itens começam a fluir. Nessa casa, por exemplo, são as plantas que ditam o caminho, muito bem acompanhadas por cores fortes e elementos rústicos.

Com foco na leveza, descontração e aconchego, os ambientes permitiram o trânsito de peças recuperadas e outras adquiridas em home center, itens artesanais e móveis e objetos de diferentes países e culturas. Tudo sob o mesmo teto, onde todos passaram a falar a mesma língua: o idioma da moradora.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Via: Apartment Therapy

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑