Busca

Forma : Plural

Releitura do viver bem

Tag

móveis antigos

Cartas na manga

Essa é a típica casa cheia dos truques. Mas nada de ilusionismo super complicado não, é tudo coisa simples, daquelas que faz a gente até se perguntar: como nunca pensei nisso antes? A começar pelas boas sacadas de organização, onde tudo tem seu devido lugar e, detalhe, muitas vezes à mostra mesmo, como o caso das mesinhas de centro na sala que acomodam as mantas. Materiais orgânicos se mesclam com metal, móvel velho com mobiliário novo. Tudo assim, sem medo nem pudor que, de tão à vontade que estão, não causam nem questionamento. A atmosfera é antiguinha, só que carrega um delicioso perfume contemporâneo doado pelos toques de bronze e excelentes pinceladas neon. Aliás, a paleta azul + rosa + amarelo é belíssima sobre a base onde o branco predomina e, quando ele predomina demais, as texturas e estampas entram em cena e criam um efeito visual bonito de se ver. Iluminação, item que poucos dão relevância, aqui tem lugar cativo. São castiçais, abajures, luminárias, arandelas. E tudo com graça, com leveza, sutileza que se nota num segundo momento. Talvez seja esse o segredo dessa casa, a mágica bem realizada das boas composições e escolhas que direcionam os olhos apenas ao que interessa. 

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Micasa

Anúncios

Puro atrevimento

E dos bons, daqueles que fazem os olhos se esbaldar! Ainda na mesma sintonia do post anterior, talvez porque esteja fazendo algumas mudanças na paleta de cor de uns cantinhos da minha casa ( aqui tem um bocado dela!), o elemento cor tem me chamado bastante a atenção.

Pra falar a verdade, me chama a atenção desde que peguei na mão o exemplar de uma edição espanhola repleto de lares coloridos. Foi identificação instantânea, um flashback da casa da minha avó materna ali materializado – e um alívio tremendo saber que tinha por aí espalhado um monte de gente corajosa, que bota em prática o que gosta!

Além da liberdade toda ali presente, com muito faça-você-mesmo, objetos garimpados, reutilizações; me interessei pelas tonalidades utilizadas nos mobiliários antigos, que conferiam uma pegada contemporânea, fazendo um câmbio muito inteligente.

As tonalidades ganhavam a elegância vinda do design dos móveis; os móveis por sua vez vestiam-se de frescor. É o poder do contraste, do atrevimento, da união daquilo que parece improvável, como essa despretensiosa casa de campo espanhola. É o tipo de referência que pega a gente de assalto porque interpreta as ações do tempo de forma inusitada, cheia de vida e de cor.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Planete Deco

Manda cor!

Se tem algo que aprecio nesse mundo é a cor. Gosto tanto que acho que sentimentos deveriam ser coloridos. Expressariam sem rodeios, encheriam as ruas de cores e certamente surgiriam algumas combinações bem curiosas…

O fato é que a cor é um recurso marcante, envolvente, eficaz. E quando se trata de promover uma grande mudança com recursos enxutos ou em tempo recorde, não consigo imaginar outro artifício que se encaixe tão bem.

Cores em objetos e acessórios, como quadros e almofadas, são ótimas para quem tem medo de errar na dose. Trocou esses itens, o possível erro está desfeito. Já em peças maiores, como um sofá, é pra pontuar mesmo, deixar uma cor bem presente como protagonista enquanto as demais desempenham papel secundário em harmonia.

Uma das qualidades mais incríveis da cor é o poder que tem de mudar o caráter das coisas. O móvel muito bem datado acima é o resultado de uma intervenção colorida que lhe conferiu vários anos a menos, tirou seu aspecto mais sisudo e o trouxe ao tempo do aqui e do agora.

Utilizar a cor como um recurso para mudar por completo a forma como se interpreta um determinado ambiente também é algo muito bacana de se fazer. O toque do azul e suas diferentes tonalidades mudou o status dessa cozinha para cozinha de estar. Cor é isso: personalidade, sentimento. Avalie o que espera de cada parede, de cada recinto. Pense o que quer que sua casa diga e manda cor!

Siga o Forma:Plural no Instagram e Facebook.

Fontes: Sophierobinsoninteriors / Decordemon / 170 KVM

Salve o tropicalismo!

Surpresa das boas que tive ao me deparar com um climão mega tropical desses exalado de uma casa em Haia, Holanda. Coisa incrível, ou melhor, coisa de gente que entende que todo lugar pode ser qualquer outro que se queira, mesmo que em outro continente.

Ah, aí essa brincadeira toda de escolha de cores, decoração, curadoria de elementos começa a ficar interessante de verdade. Porque, acredite, quando se conhece o que se gosta, é uma questão de chegar nas combinações certas para criar o ambiente que bem entender – tropical, minimalista, com sotaque industrial, retrô.

Uma determinada atmosfera num ambiente pode ser só aquele “cheirinho” dado por um objeto marcante e a partir dele demais itens começam a fluir. Nessa casa, por exemplo, são as plantas que ditam o caminho, muito bem acompanhadas por cores fortes e elementos rústicos.

Com foco na leveza, descontração e aconchego, os ambientes permitiram o trânsito de peças recuperadas e outras adquiridas em home center, itens artesanais e móveis e objetos de diferentes países e culturas. Tudo sob o mesmo teto, onde todos passaram a falar a mesma língua: o idioma da moradora.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Via: Apartment Therapy

 

98 m2 de pura harmonia

 

Casa alugada não precisa ser sinônimo de casa sem identidade e aqui está um sobrado de 98 m2 que é um exemplo dos bons disso. Muito móvel de família, muita mão na massa, muita coragem e envolvimento são capazes de fazer qualquer mudança estrutural, como possíveis quebra-quebras, parecer supérflua. Sim, muitos problemas podem ser sanados quando a gente valoriza outros aspectos, bota coisa muito mais bacana pro olho da gente enxergar. Do mesmo modo, nem sempre é o alto investimento que fará a casa se tornar um lar, mas sim a quantidade de tempo que dedicamos com planejamento e com observação.

Uma das grandes sacadas dessa casa é o uso e abuso de texturas, que são um passaporte instantâneo pro aconchego. Além disso, o uso de cores pontuais é uma porrada quando o assunto é inserir personalidade: é como dizer em alto e bom tom a que veio. No mais, ela é um festival de misturas onde novo e antigo não fazem distinção dos anos, funcionalidade e afeto caminham lado a lado, liberdade de expressão é a palavra de ordem. Enfim, é uma casa que merece um bom reparo em cada canto porque, além de muita ideia interessante, ela tem a ginga e alegria que falta a muita casa própria.

 

Siga o Forma:Plural no Instagram e Facebook.

Fonte: Revista Minha Casa

 

Coragem

Essa é uma daquelas casas que nos enchem de coragem, que faz bater aquela vontade louca de arregaçar as mangas e sair trocando tudo de lugar. É uma casa cheia de atitude, onde páginas de dicionário se transformam em papel de parede, onde o garimpo tem lugar de destaque, onde o conforto – físico e emocional – é a palavra de ordem.

Apesar de todo sua personalidade forte, ela carrega uma atmosfera tranquila, própria de quem não precisa provar mais nada pra ninguém. Ela pertence ao presente e flerta com o passado, mistura tudo sem o menor remorso e acredita que tudo é válido até a próxima mudança.


 

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Apartment Therapy

Uma casa pra gostar

Casa é uma coisa de empatia, e as vezes demora um pouco pra rolar. Sem contar que, não muito raro, sempre tem um cantinho que a gente custa a gostar. Por isso que o tempo é tão fundamental, pra poder observar, descobrir a real função de cada cômodo, sacar como a iluminação natural acontece em cada ponto da casa. Por mais que bata aquele impulso louco de ver tudo pronto, não é comprando tudo num único lugar e às pressas que teremos a casa que nos represente. O exercício de testar, dialogar, de “arrasta pra cá e leva pra lá” é o mais precioso investimento que pode ser feito e, no futuro, evita possíveis frustrações com compras de móveis e objetos que perdem rapidamente a validade. Essa casa aqui, por exemplo, é resultado de muito garimpo e de um olho paciente, que se envolveu e soube tirar proveito e valorizar cada centímetro, já sabendo que pra continuar gostando é fundamental manter-se atento a novas necessidades que vão surgindo.

Siga o Forma:Plural no Instagram e no Facebook.

Fonte: Casa Vogue

 

Uma casa que pertence ao tempo

Cada vez mais me simpatizo com as casas que pertencem ao tempo, aquelas que estão sempre prontas e nunca acabadas. Prontas porque sabem como ninguém que a hospitalidade ultrapassa qualquer estilo de decoração, organização, anos de vida, e nunca acabadas porque possuem a flexibilidade fundamental para se adaptar a mudanças.

Não há como não se admirar com tamanha sinceridade, daquela que expõe rachadura, mancha no móvel, gaveta emperrada. Nem com tanta sabedoria que conhece que uma deliciosa cadeira de mola rende uma tarde de leitura tão incrível que o estofado meio detonado é apenas um charme a mais.

São casas que possuem significados em cada canto, porquês sobre prateleiras, verdades verdadeiras e verdades inventadas presas à parede. Elas são a melhor versão da história: nos momentos tristes elas se tornam poesia e nos momentos alegres são enredos animadíssimos lotados de personagens extravagantes.

Ah, quanta generosidade cabe em seu interior, muito além de apenas alicerce, mobiliário e talvez uma bela vista. Elas aprenderam com o espirituoso tempo a não ter pressa e descobriram que só assim são capazes de se envolver realmente com a gente e virar o melhor lugar do mundo que se pode desejar.

 

 

 

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram.

Fonte: Espacio Living

Entre plantas, cores e tecidos

ds1

Uma casa com plantas nunca é uma casa vazia. As cores, por sua vez, criam pontos focais interessantes e são fantásticas no quesito camuflagem. E os tecidos com suas texturas? São danados quando o assunto é humanizar alicerce.

O trio planta + cor + têxtil  é realmente porreta, especialmente quando a intenção é criar uma atmosfera plena de vida e acolhedora, sem muita dor de cabeça, que seja capaz de se renovar quando der na veneta.

Tá na dúvida do que usar pra realçar um cantinho? Quer promover uma mudança rápida? Falta sensação de acolhimento? Ou quer apenas tapar aquele vazio que teima em existir, apesar de  incansáveis tentativas? Então esse combo é pra você, tiro certeiro pra esses males e garantia de uma casa que respira, como essa aqui  do Design Sponge.

ds2

ds3

ds4

ds6

ds7

ds8

ds9

ds10

ds11

ds12

ds13

Siga o Forma:Plural no Facebook e no Instagram.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑