Não sei se já comentei ou não, mas morávamos em 7 pessoas na casa de meus pais. Além dos momentos das refeições, dignos de Fellini, o “viver junto” era um desafio e tanto.

Cada um numa fase da vida diferente. Para contribuir, todos sempre falaram muito alto e, quando surgia alguma novidade ou ideia, a questão era debatida por horas a fio.

Num dia,  meu pai teve a brilhante ideia de adotar uma lousa como forma de expressão e comunicação interna. Mais ou menos como um memorando, só que com uma pegada um pouco “ácida”.

A novidade funcionou que era uma beleza. Todas as manhãs, as passadelas por essa lousa eram constantes, onde sempre havia alguma indireta a algum comportamento, trechos de música, poemas.

Por incrível que pareça, até o índice de discussões caiu. A galera descia a lenha na lousa. Até hoje me lembro da frase top: ” Para um bom entendedor, meia palavra basta”. Sentiu a alfinetada?

Fico imaginando se fosse uma parede inteira de lousa…

Fontes: Apartment Therapy / Blue Vintage / Vosgesparis