O post de hoje é super especial e não foi escrito por mim, mas pelo meu irmão Herick. Só pra situá-los um pouco, nós somos em quatro irmãos e tivemos o privilégio de desfrutar muitas coisas juntos e na companhia de nossos pais e avó paterna, uma verdadeira louca varrida que fez muito por nossa educação. O mais fantástico, sem sombra de dúvidas, era nosso momento de refeição juntos. Certamente, Fellini secretamente flagrou algum almoço ou jantar lá em casa e usou de inspiração em seus filmes…Um dia narro algum episódio num próximo post.

Agora, vamos ao que realmente interessa:

É interessante como algumas pessoas são caracterizadas por suas frases ou até mesmo uma simples palavra com uma entonação específica. Assim é D. Julia, minha mãe.

Desde criança ouço aquela voz hispano-brasileira pronunciando palavras com um sotaque paulistano “cantado”, como se cada uma delas se adequasse à harmonia de uma ária. Com seu humor característico, as palavras ganhavam vida e um significado especial, uma conotação própria que só mesmo “La Julia” poderia descrever.

 “Perfume de gardênia” era sinônimo de cheiro ruim. Era sempre declamada quando alguém soltava um daqueles flatos “mudinhos” que empesteavam o ambiente. Pura ironia, mas até hoje fico me perguntando qual será o cheiro da gardênia.

 

“Flor-de-lis” vinha sempre acompanhada de “quebrou o nariz”. (A rima é tudo!) A frase era usada quando alguém, geralmente do sexo feminino, se dava mal. Dá pra perceber que ela aprendeu bem as figuras de linguagem na escola.

 

Outro dia, em um hotel em Recife, encontrei um sabonete que me chamou a atenção. Sua fragrância era de Laranja e Bergamota. Bergamota era como ela chamava minhas irmãs. Nenhuma delas se parece ou lembra uma tangerina, seria mais uma figura de linguagem?

Realmente, “La Julia” teve uma educação privilegiada… Inglês, francês, espanhol, Italiano e português são línguas que ela domina como ninguém…  “San Genaro, forgive me!”,  para situações de stress. “3 de julho”, para descrever seu “Très joli”. “Humm, una almiba!”, para descrever quão doce é algo. E outras tantas como “El niño de la posa…”, “Dantravolta, tio Paulo”, “Yo que tenga!!” e “Por que non te callas?!!”.

Definitivamente, uma “lady”! E praticamente imortalizada quando vejo seus netos repetindo aos ares suas célebres frases.